Título do SiteLuiz Alberto Silveira
Ensinamentos que a vida traz
Capa Textos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato
Textos
Com cuidados não abrirei mão de te proteger
Com cuidados não abrirei mão de te proteger
Luiz Alberto Silveira
Frequentemente interferimos na vida ou nas relações de nossos filhos, familiares e amigos diletos (adultos) sob o pretexto de protegê-los, ajudá-los, cuidá-los, mostrar caminhos, sugerir condutas, evitar problemas...
Analisamos suas vidas e comportamentos (sob nossa ótica) e nos julgamos obrigados a mostrar que nos preocupamos por eles. Sob estes pretextos “entramos porta a dentro” de suas vidas e começamos com o “você deve fazer assim”, “deste jeito não”, “não sejas tolo”, “isto está errado”, “faça como eu”, “na minha experiência”, “você tem que gostar disto, daquilo” etc.
Não observamos o sinal vermelho nem o amarelo, entramos direto com a garantia de que temos o sinal verde para opinar sobre tudo e todos.
E sem querer, perceber ou imaginar, geramos o início de um afastamento, principalmente quando do outro lado encontra-se pessoas próximas. Coisas que nos fazem bem têm que ser boas para os demais também (achamos). Nossa (caridosa) ação gera momentos delicados quando interferimos na educação e comportamento dos netos, na escolha da namorada ou namorado dos filhos, nas relações de trabalho e da intimidade de pessoas e casais. Para não nos magoarem ou por não tolerarem mais as invasões afastam-se, restringem-se, silenciam para não ouvirem possíveis conselhos, isso quando não cortam o relacionamento.
Muitas coisas que desejamos aos outros são nossas fantasias. Entretanto, outras vezes, por insegurança, para segurança, por necessidade (e com alegria deles), nossa participação em suas vidas é muito bem-vinda e desejada. O segredo é ter a certeza e a nítida percepção de que isto está ocorrendo, olhando-os e não somente olhando o quão bons achamos que estamos sendo. Se isto não for claramente observado teremos os filhos que não visitam os pais, a nora ou o genro que não leva os netos para visitar os avós, a resistência à participação em uma festa de família ou de amigos, a dificuldade em programar uma viagem conjunta e tantas outras situações decorrentes das “bioquímicas cerebrais” e afetivas que não combinam em decorrência de uma questão mal formulada, uma palavra, um gesto e uma ação inoportunos. Saber quando agir e quando parar de agir é o segredo.
Isto implica em amadurecimento, sensatez, percepção lógica e afetiva coerentes, autoconhecimento, humildade, sentido de limites da liberdade e enorme senso de coesão afetiva. Dar a vida ao outro não significa desejar que o outro a viva como queremos. Oferecer sugestões e ideias não significa intrometer-se e exigi-las; mostrar o que achamos ser bom não significa impor que ocorram. Quero te dizer: posso mostrar que tal atitude faz mal mas quem tem que evitá-la és tu. Sobre teus relacionamentos direi o que penso com muito cuidado e carinho, mas quem os escolhe és tu; sobre a segurança que te desejo só peço que te protejas (por mim).
Agora quero que saibas: rezarei eternamente por ti e por ti meu amor será cuidadoso e único. Disto não me faças abrir mão, porque não o farei.
Luiz Alberto Silveira
Enviado por Luiz Alberto Silveira em 10/05/2021
Alterado em 10/05/2021
Comentários
Capa Textos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato